Top 5 dos lugares para observar aves em São Pedro e Miquelão

Inspiração

São Pedro e MiquelãoNatureza e Atividades ao Ar Livre

De Cap de Miquelon is de favoriete plek van de zeearend
© Maison de la Nature et de l'Environnement / Laurent Jackman - De Cap de Miquelon is de favoriete plek van de zeearend

Tempo de leitura: 0 minPublicado em 14 dezembro 2017, atualizado em 7 junho 2024

A 25 km da costa de Terra Nova, no Canadá, São Pedro e Miquelão é um pedaço de natureza preservada constituído por oito ilhas, mas apenas duas são habitadas!

Os habitantes do arquipélago são, principalmente, as aves que povoam as paisagens entre a terra e o mar, as dunas e as lagunas, as falésias e as colinas. Foram recenseadas mais de 300 variedades de aves marinhas e terrestres migratórias, das quais cerca de cem são nidificantes. Pegue nos binóculos!

O istmo, um paraíso para a batuíra melodiosa

Batuíra melodiosa.
© Laurent Jackman - Batuíra melodiosa.

Esta faixa estreita de 12 quilómetros que liga a ilha de Langlade (também denominada Petite Miquelon) à de Grande Miquelon desenha uma paisagem única, entre dunas de areia e turfeiras, onde coabitam tico-ticos-dos-prados e calhandras-cornudas. Algumas espécies nidificam, como o pilrito-anão, a narceja-comum, a batuíra-de-bando e, desde os anos 1980, a batuíra melodiosa com a sua bela penugem clara, uma espécie ameaçada.

A ilha Grand Colombier, abrigo do papagaio-do-mar

A poucas centenas de metros da costa, a reserva natural de Grand Colombier é um autêntico santuário: esta pequena ilha (1,2 km de comprimento) com vegetação rasteira concentra por si só uma boa parte das aves migratórias de São Pedro e Miquelão. É o único sítio do arquipélago onde os papagaios-do-mar nidificam, assim como o único local francês de reprodução do paínho-de-cauda-forcada. Tanto os airos como as tordas-mergulheiras também vivem em harmonia neste lugar. Para além disso, é possível ver às vezes passar ao largo baleias-de-bossa, rorquais e golfinhos.

Refúgio de patos em Grand Barachois

A lagoa de Grand Barachois.
© Maison de la Nature et de l'Environnement - A lagoa de Grand Barachois.

No sul da ilha de Miquelão, as plantas aquáticas da lagoa de Grand Barachois (9 km²) atraem todas as espécies de aves aquáticas, patos-escuros-americanos, assim como, entre o outono e a primavera, os olhos-dourados-comuns e zarros. Quando está maré baixa, também é o local ideal para observar as focas-cinzentas e focas-comuns que dão à luz entre fim de maio e início de junho.

As aves de rapina no Cabo de Miquelão

No extremo noroeste, o Cabo de Miquelão é o sítio mais espetacular do arquipélago, mas não apenas pela sua paisagem grandiosa de falésias habitadas por gaivotas. No Cap du Nid à l'Aigle, é um autêntico festival de aves de rapina. Os ornitólogos recensearam águias-de-cabeça-branca, assim como gaviões-miúdos e esmerilhões.

Plumagem na costa de Miquelão

Esmerilhão.
© Laurent Jackman - Esmerilhão.

Selvagem e quase desabitada, a maior ilha do arquipélago (216 km²) possui uma única aldeia! Por isso, não é de admirar que existam tantas espécies de aves. Na primavera, do lado oeste, não deve perder a chegada de milhares de êideres, uma espécie de patos grandes migratórios, cuja plumagem é muito procurada, e mergulhões-de-pescoço-ruivo. Do lado este, o lago de Mirande é o local preferido dos mergansos-de-poupa, todos despenteados.

Por Anne-Claire Delorme

Jornalista de viagens anneclairedelorme@yahoo.fr