Passeio de bicicleta pelo litoral da Normandia

Inspiração

NormandiaNatureza e Atividades ao Ar LivreCicloturismo

© o1559kip / Adobe Stock
© © o1559kip / Adobe Stock

Tempo de leitura: 0 minPublicado em 27 julho 2023

A Normandia revela os tesouros de seu litoral ao longo da ciclovia marítima. Em cima da bicicleta, entre a terra e o mar, você descobrirá vistas inesquecíveis, desde as mais conhecidas até as mais incomuns.

Grandes pedras

Se pode ver uma vista excepcional do Mont-Saint-Michel e isso já vale a pena subir na bicicleta.
© Daliu / Adobe Stock - Se pode ver uma vista excepcional do Mont-Saint-Michel e isso já vale a pena subir na bicicleta.

Não é por acaso que o Mont-Saint-Michel ganhou o apelido de "Maravilha do Oeste". Para descobrir por que o local e a baía ao redor são Patrimônios da Humanidade, pegue sua bicicleta de Ducey. Uma rota de 30 km o levará diretamente à famosa abadia beneditina. Mais um motivo para conhecer a rota que tem paisagens agrícolas, cercas vivas e prados. É uma chance de redescobrir o local de um ângulo totalmente novo, com as mãos no guidão e com o vento batendo na cara.

Esse é o caso do Pointe de Roche-Torin, onde você pode desfrutar de uma vista linda e panorâmica do Mont-Saint-Michel. É o lugar perfeito para levar sua cesta de piquenique e colocar alguns dos doces comprados na mercearia Ô fil des saisons em Ducey antes de partir. A loja é especializada em produtos locais, incluindo geleias, biscoitos e, é claro, o delicioso queijo Camembert.

Histórias naturais

Um bunker alemão da Segunda Guerra Mundial
© kateafter / Adobe Stock - Um bunker alemão da Segunda Guerra Mundial

Em Sainte-Marguerite-sur-Mer, Seine-Maritime, um surpreendente bunker alemão da Segunda Guerra Mundial tombou de costas na praia, roubando a cena do mar e dos penhascos. Uma curiosidade histórica, imortalizada em "Visages, villages", um filme dirigido por Agnès Varda em 2017. Para marcar a ocasião, JR - o fotógrafo especializado em colagens fotográficas monumentais - fixou um retrato da diretora nesse grande bloco de concreto.

Para passar da tela para a realidade e descobrir essa vista única, você precisará pegar o itinerário de Dieppe a Saint-Valery-en-Caux. Um pouco mais ao sul, ainda na comuna de Sainte-Marguerite, pegue a bicicleta e vá até os valleuses de Vasterival para descobrir outra curiosidade natural. Esses vales estreitos, que cortam os penhascos e mergulham no mar, são típicos da região. Na maré baixa, eles revelam uma visão incomum. Ou melhor, uma exposição em tamanho real de desenhos traçados na areia ou nas algas marinhas das rochas, uma verdadeira demonstração da arte terrestre.

O crepúsculo dos ídolos

O sol se põe sobre a cidade de Cabourg.
© Géraldine Revillard - O sol se põe sobre a cidade de Cabourg.

Por quase dois séculos, desde os pintores impressionistas até os fãs do Instagram, o pôr do sol ao longo da costa da Normandia tem fascinado os artistas que adoram capturar as horas douradas no final do dia.

A rota de 41,6 quilômetros de Saint-Valery-en-Caux a Fécamp oferece um ponto de vista após o outro, proporcionando muitas oportunidades para imortalizar o famoso "raio verde" descrito por Júlio Verne.

A 45 minutos de pedalada das Petites e Grandes Dalles - dois vales que a Imperatriz Sissi adorava para tomar banho de mar - e um pôr do sol imperial o aguarda no Sémaphore de Senneville-sur-Fécamp.

Outra cidade, outra era, com o itinerário de Cabourg a Ouistreham, que o leva em uma viagem de uma hora e meia pela Baía de Orne até a famosa cidade onde o escritor Georges Simenon ambientou o enredo de seu romance Le Port des brumes.

No topo do farol de Ouistreham, 38 metros acima do solo, não é a neblina que o espera, mas uma vista sublime da reserva natural Pointe du Siège, que se ilumina ao anoitecer. Uma recompensa bem merecida para aqueles que subiram os 171 degraus até o topo do farol.

Por Rédaction France.fr

A equipe editorial da France.fr segue as tendências e notícias do destino para falar sobre uma França que inova e revisita suas tradições. Histórias e talentos que fazem você querer (re) descobrir nossos territórios.